EXPOSIÇÃO SP

Exposição em SP “acende” memórias “pré-humanas” com obras polifacéticas

Com influências científicas, como a própria artista relata, o cubo de luz, depois do contato com o público, se transformará em uma visualização de “um universo” nas paredes escuras da sala da Galeria Mezanino, na região central de São Paulo.

Em sua primeira exposição individual, a artista plástica Thelma Vilas Boas apresenta em São Paulo suas obras criadas em diferentes plataformas, como quadros, vídeos, cubos de luz e um arco voltaico para “acender” as memórias “pré-humanas” intrínsecas em nossas células.

Com influências científicas, como a própria artista relata, o cubo de luz, depois do contato com o público, se transformará em uma visualização de “um universo” nas paredes escuras da sala da Galeria Mezanino, na região central de São Paulo.

Com o arco voltaico, Vilas Boas cria energia a partir de um choque de átomos de carvão nas pontas da figura, para “encantar” o público com uma leitura diferente da energia que deu “origem ao universo”.

O restabelecimento das relações do homem com o mundo, que de acordo com ela está fora de sintonia, é o propósito da exposição “Nada Interessa Mais”, que tem a curadoria de María Íñigo Clavo, especialista espanhola em arte radicada em Londres.

“Minha formação como fotógrafa – não sou boa desenhista – me dá uma grande expectativa de oferecer alguma coisa impactante ou inédita e, justamente nesse tipo de questão, fui por trás da definição do sublime” disse à Efe a artista, de 48 anos.

Inspirada no filósofo irlandês Edmund Burke, que define o sublime como “arrebatamento, vertigem”, a primeira exposição individual de Vilas Boas foi motivada por algo que vai além do “político, do gênero ou das questões contemporâneas”

O quadro que abre a exposição foi criado com base nos sete volumes de “Em busca do tempo perdido”, do francês Marcel Proust, que, como lembrou Vilas Boas, ativava o tempo e a memória mordendo uma ‘madeleine’ com uma xícara de chá.

Sobre a interação com o público, a artista afirmou que, com seu trabalho, “qualquer reação é possível e deve ser aceita”, e é esse tipo de atitude “que diz de alguma forma como o homem encara uma situação”.

“Espero que todas as interações e impressões que o público deixar na exposição possam me trazer novas ideias e interpretações”, concluiu a artista.

A exposição permanecerá em cartaz até 6 de junho, sob supervisão de Íñigo Clavo, artista e doutora em artes pela Universidade Complutense de Madri, especialista em multiculturalismo, teorias pós-coloniais e expressões artísticas da América Latina.

* Imagens de divulgação

Marcados com: , , ,
Publicado em Cultura

Deixe uma resposta

Turismo TV <p>Bolso con estampados típicos españoles. Foto: Grupo LK</p>
Ver vídeo

Quais lembrancinhas os turistas levam da Espanha? (em espanhol) duração: 2.05

Ver mais vídeos

As mais no Efetur

Tags