A culinária mexicana, muito além dos tacos

Com mais de 10.000 variedades de pratos, a culinária mexicana ganha cada vez mais espaço internacional e, segundo especialistas, já é considerada uma das primeiras cinco gastronomias mais prestigiosas do mundo.

  • mas infoA pimenta Catarina, que acompanha quase todos os pratos típicos mexicanos, em diferentes variantes de intensidade, é um ingrediente básico da culinária deste país que conta com mais de 50 tipos com diferentes graus de intensidade, desde o "pimiento morrón", que quase não arde, até o "chile habanero", que é o que tem mais capsaicina, o componente químico que estimula o receptor térmico na pele que produz a sensação de ardido. EFE/Sáshenka Gutiérrez
  • Várias pessoas degustam alimentos no World Trade Center da Cidade do México. EFE/Sáshenka Gutiérrez
  • mas infoA pimenta Catarina, que acompanha quase todos os pratos típicos mexicanos, em diferentes variantes de intensidade, é um ingrediente básico da culinária deste país que conta com mais de 50 tipos com diferentes graus de intensidade, desde o "pimiento morrón", que quase não arde, até o "chile habanero", que é o que tem mais capsaicina, o componente químico que estimula o receptor térmico na pele que produz a sensação de ardido. EFE/Sáshenka Gutiérrez
  • Um prato de pozole, feito a base de milho, frango, carne suína ou bovina, muito popular no México. EFE/Mario Guzmán
  • Uma mulher "purepecha" fazendo tortillas durante uma mostra gastronômica mexicana, no programa "Cocineras Tradicionales", em Claustro de Sor Juana, na Cidade do México. EFE/Alex Cruz

Os chefs mexicanos souberam recuperar as raízes culinárias do país e misturá-las com novas técnicas e pratos de origem europeia e oriental, para oferecer novos sabores que vão além do tradicional taco.

Um exemplo claro disso é o restaurante “Biko”, que ostenta com orgulho um menu feito a base da mestiçagem da culinária tradicional basca com a gastronomia mexicana, que contém desde “pensamentos de cervo” até as tradicionais pochas, espécie de feijão branco.

Uma união com a qual os chefs espanhóis Mikel Alonso e Bruno Oteiza conseguiram melhorar a posição do “Biko” na última lista elaborada pela revista “Restaurant”, que passou da 38ª posição à 31ª.

A gastronomia do México é uma riqueza que para muitos é desconhecida e limitada a tortillas, chili e tacos, que deixam em um segundo plano um conjunto de receitas caracterizado pela variedade e riqueza dos seus sabores.

“A culinária mexicana não é só tacos, enchiladas e chilaquiles. Há centenas de pratos em cada uma das regiões do país que não são conhecidos fora do México, por isso deve ser incentivada em outros países”, disse à Efe o diretor executivo da rede hoteleira Club Med, o italiano Saverio Friselli.

Atualmente, a gastronomia deste país se encontra entre as primeiras cinco mais prestigiadas no mundo, junto com a francesa, italiana, chinesa e japonesa, afirmou.

No entanto, no mundo ainda existe uma grande ignorância quanto à comida mexicana, e ela é associada muitas vezes com a comida denominada “tex mex”, que é uma fusão com o sul dos Estados Unidos.

A culinária mexicana não é só tacos, enchiladas e chilaquiles. Há centenas de pratos em cada uma das regiões do país que não são conhecidos fora do México

Portanto, os especialistas pedem uma política governamental para promover a culinária internacionalmente e divulgar sua enorme riqueza.

À conquista do mundo

“Se for aceita a formulação de uma política de Estado para promover a culinária mexicana, deve-se destinar fundos para realizar campanhas globais”, disse o chef Ricardo Muños Zurita, autor do livro “La gastronomia mexicana”, editado pela Larousse.

A chef mexicana Martha Ortiz. EFE/J.J Guillén

A culinária mexicana tem potencial para conquistar o mundo, e já começa a mudar a percepção sobre nossa própria comida. Há muits países que nos convidam para participar em eventos gastronômicos”, destacou Martha Ortiz, uma das chefs mais populares do país.

A nova revolução gastronômica virá das Américas. Essa mudança está sendo feita com muitas pessoas talentosas, e os mexicanos começam a reconhecer o que são”, acrescentou Ortiz, dona dos restaurantes “Dulce Patria” e “Barroco”, localizados no sofisticado bairro de Polanco, na capital.

Portanto, “o Estado mexicano deve promover uma política com a participação dos ministérios de Turismo, Economia, Agricultura, Exteriores e Educação, para apoiar feiras gastronômicas nas principais cidades do mundo, como Nova York, Paris, Los Angeles, Londres, Tokio, e, na China, pelo menos em Beijing, Hong Kong e Shangai”, disse Muños Zurita, proprietário dos restaurantes “Azul condesa”, “Azul centro” e da cafeteria “Azul y oro”.

A nova revolução gastronômica virá das Américas. Essa mudança está sendo feita com muitas pessoas talentosas, e os mexicanos começam a reconhecer o que são

600 tipos de tamales e mais de 500 variedades de moles

Os três especialistas destacaram que em cada região do México há uma enorme diversidade de pratos com preparações diferentes, e destacaram que existem 600 tipos de tamales, mais de 500 variedades de moles (um molho espesso com mais de 50 ingredientes), dos quais em Oaxaca há 130 diferentes.

“A tortilla tem uma grande variedade em tamanhos, cores, texturas e a diversidade de tacos é inumerável, já que os pratos mexicanos só se comparam com os chineses pela sua variedade, devido à extensão do seu território“, explicou Muñoz Zurita.

A culinária mexicana tem uma enorme gama de pratos nativos, mas também uma grande quantidade de pratos fusionados com outros de origem europeia e oriental, já que os produtos são encontrados em todos os lugares, embora cada região lhe dê algo de originalidade.

Temos que diferenciar a cozinha mexicana da comida que os mexicanos comem. Batata frita, junk food e Coca Cola não são mexicanos

Apesar da riqueza da sua culinária e a preferência por produtos frescos, a ONU advertiu em um estudo que 70% da população mexicana sofre de obesidade ou sobrepeso.

Nesse sentido, Friselli pediu que se deixe de satanizar os produtos feito de milho como a tortilla, indicados como responsáveis pela obesidade. “Os mexicanos são obesos por causa da comida rápida não saudável, os refrigerantes e as frituras industrializadas”, declarou.

“Temos que diferenciar a cozinha mexicana da comida que os mexicanos comem. Batata frita, junk food e Coca Cola não são mexicanos”, esclareceu Muñoz Zurita, e destacou que no país também devem ser empreendidas campanhas contra a comida não saudável, fast food e refrigerantes, e incentivar a prática de exercício físico entre a população.

Marcados com: , ,
Publicado em Gastronomia

Deixe uma resposta

Turismo TV <p>Bolso con estampados típicos españoles. Foto: Grupo LK</p>
Ver vídeo

Quais lembrancinhas os turistas levam da Espanha? (em espanhol) duração: 2.05

Ver mais vídeos

As mais no Efetur

Tags